O Google já começou a aplicar a política de abuso de reputação de sites

Sites como CNN, USA Today, LA Times e outros foram atingidos pela política de abuso de reputação de sites do Google e estão vendo seus subdomínios caindo nas classificações depois de serem atingidos por ações manuais.

Última atualização:

16 de maio de 2024

Índice

    O Google começou a aplicar a nova política de abuso de reputação de sites, desclassificando ou desindexando partes de sites do índice da Pesquisa Google. 

    Isso parece ter começado na última hora, quando sites tão grandes como CNN, USA Today, Fortune e LA Times estão vendo que seus diretórios de cupons não são mais classificados para palavras-chave relacionadas a cupons.

    Segundo o portal Search Engine Land, o Google disse que essa mudança estava chegando em março, quando o Google anunciou vários aprimoramentos de pesquisa, que também incluíam o core update de março de 2024.

    No dia 6 de maio, o contato de pesquisa do Google informou no X: 

    “Isso começará ainda hoje. Embora a política tenha começado ontem, a aplicação está realmente começando hoje”.

    Ele estava se referindo a ações manuais, não ações algorítmicas. Isso significa que os sites afetados por essa política de abuso da reputação do site devem ter recebido notificações dessas penalidades em seus perfis do Search Console.

    Exemplos de aplicação

    Laura Chiocciora e Glenn Gabe publicaram capturas de tela de alguns sites que foram afetados por essa atualização. Entre eles estão a CNN, o USA Today e o LA Times. 

    Todos esses sites não impediram que esses diretórios fossem indexados ou classificados pelo Google e, hoje, essas seções foram removidas da Pesquisa Google.

    Alguns outros sites, como Forbes, Wall Street Journal e outros, bloquearam manualmente esses diretórios dos spiders do Google antes do início da aplicação dessa nova política.

    Essa é apenas uma amostra das medidas aplicadas.

    O que é abuso de reputação de sites? 

    Uma estratégia antiga que voltou à tona recentemente é aquela em que um profissional de marketing pega carona em seu conteúdo em outro site para classificá-lo nos mecanismos de pesquisa. 

    Aos olhos do Google, essa prática é considerada abuso de reputação de site, também conhecida como SEO parasita. O próprio mecanismo nos alertou em março:

    • “Um terceiro pode publicar avaliações de empréstimos do dia de pagamento em um site educacional confiável para obter benefícios de classificação do site.”
    • “Esse tipo de conteúdo com alta classificação na Pesquisa pode confundir ou enganar os visitantes, que podem ter expectativas muito diferentes em relação ao conteúdo de um determinado site.”

    Ou seja, o abuso de reputação de sites ocorre quando terceiros publicam conteúdo de baixa qualidade em sites com boa reputação, na intenção de aproveitar sua autoridade e seu poder de classificação para, assim, ganhar tração mais rapidamente.

    De acordo com a nova política do Google, o abuso da reputação do site é definido como “conteúdo de terceiros produzido principalmente para fins de classificação e sem a supervisão do proprietário do site” e “destinado a manipular as classificações da Pesquisa” será considerado spam.

    Para saber mais: novas políticas de spam da Pesquisa Google e políticas atualizadas sobre abuso de reputação

    Vale ressaltar que nem todo conteúdo de terceiros será considerado spam, conforme explicou o Google:

    “Muitas publicações hospedam conteúdo publicitário destinado a seus leitores regulares, e não para manipular principalmente as classificações da Pesquisa. Às vezes chamado de 'publicidade nativa' ou 'advertorial', esse tipo de conteúdo normalmente não confunde os leitores regulares da publicação quando eles o encontram diretamente no site do editor ou quando chegam a ele a partir dos resultados de pesquisa do Google.”

    Por que isso nos interessa?

    Muitos profissionais de SEO têm se queixado dos danos e da injustiça decorrentes do SEO parasita. Com tantas reclamações sobre a qualidade dos resultados de pesquisa ultimamente, isso pode ajudar com algumas dessas reclamações.

    Por isso, o serviço de link building da Experta conta com estratégias focadas em conteúdo de qualidade e conquista de publicações orgânicas.

    CONFIRA TAMBÉM