10 Erros de SEO para você não cometer

Veja se você está cometendo algum desses erros e reajuste já para que os algoritmos do Google não prejudique seu SEO.

SEO (Search Engine Optimization) é uma ferramenta bastante útil para fazer um conteúdo ser visto pelos motores de busca. Isso é indiscutível.

No entanto, há muitos ruídos entre a teoria e a prática dessa técnica.  E não se atentar aos detalhes pode ser um verdadeiro tiro no pé na sua estratégia de marketing digital.

Neste artigo elencamos 10 dos principais erros que devem ser evitados em uma estratégia de SEO. São eles:

1. Ausência de linkagem

vetor link quebrado
fonte: freepik.com

Pode parecer estranho que o bom desempenho de conteúdo esteja atrelado aos links que compartilhamos, mas não é difícil de entender.

Em nosso Guia de SEO para jornalistas e produtores de conteúdo explicamos bem como funcionam os motores de busca.

baixar guia SEO

Os hiperlinks são a ponte que os robôs utilizam para encontrarem os conteúdos que sejam relevantes e atendam a determinada demanda do usuário.

Não utilizar-se desse recurso pode fazer com que você demore muito mais a obter os resultados que deseja.

Quer ser visto pelo Google? Use links internos (que conectem diferentes conteúdos no seu site) e externos (que direcionem a outras páginas com conteúdos complementares à sua abordagem).

O Google foca sempre na experiência do usuário, logo, ao agregar informações que completem o sentido e tragam novos dados para enriquecer a sua narrativa, ele vai entender que você também se preocupa com o seu leitor.

E a recompensa pelo seu bom comportamento será um lugarzinho especial na SERP, a página de resultados de busca.

2. Excesso de backlinks e/ou links de baixa qualidade

vetor de um notebook ligado a outras páginas de sites
fonte: freepik.com

Backinks (aqueles links que apontam para o seu site) são ótimos, mas é preciso lembrar-se daquele conselho da vovó: até água em excesso faz mal, né?!

Assim, antes de sair por aí pedindo links a torto e a direito é preciso analisar, cuidadosamente, cada site parceiro. É imprescindível verificar se eles são indexados pelos motores de busca, se têm boa autoridade e se estão com o SEO on-page em dia.

Tudo isso é importante para garantir que o resultado seja positivo. Lembre-se: marketing digital pode parecer intuitivo, mas estratégia é a palavra de ordem.

Em resumo, uma estratégia de link building, ou seja, que trabalha com backlinks, precisa ser feita com cautela e de forma bastante segura para que o resultado não seja o oposto do esperado e o seu conteúdo acabe sendo penalizado.

Confuso?

A gente explica: ao longo do tempo os algoritmos dos motores de busca foram ganhando corpo e novas habilidades. Hoje eles já são capazes de captar tentativas de manipulação com eficiência.

Isso significa que links inseridos aleatoriamente no texto sem contexto, com textos âncora aleatórios podem ser entendidos como má-fé do produtor de conteúdo.

Ou seja, os robôs vão entender que você está apenas querendo ser visto e não apresentar informações relevantes para o seu leitor. E uma vez que eles identificam isso o resultado pode ser o rebaixamento e até o banimento do seu conteúdo da SERP.

Se quiser saber mais sobre como fazer um processo seguro de construção de links, acesse nosso post melhores estratégias de link building.

3. Palavras-chaves erradas

chave e lupa sob uma página de site
fonte: freepik

Se você já teve contato com o marketing digital e SEO em algum momento já sabe que a escolha das palavras-chaves de um negócio é um dos pontos mais importantes desse trabalho, certo?

É por meio delas que seu negócio será identificado e indexado pelos motores de busca. Por exemplo, se eu estou com um problema na minha geladeira eu tenho dois caminhos:

  1. Ou eu digito o problema específico no Google para tentar solucionar por conta própria
  2. Ou pesquiso por profissionais que façam o serviço por mim

E se você é uma empresa que presta serviços técnicos de conserto de eletrodomésticos, precisa ter conteúdo para as duas situações. No mínimo, as palavras “geladeira” e “eletrodomésticos” precisam estar na sua lista de palavras-chaves.

Deu para entender?

A ideia é pensar em tudo que o seu cliente em potencial pode vir a procurar em relação àquele assunto abordado pelo conteúdo em questão.

Porém é importante ressaltar que as pessoas buscam de formas diferentes. Há quem busque, por exemplo, “conserto de geladeira” e haverá que digite no Google “consertar geladeira”. Portanto, é muito importante fazer uma pesquisa de palavras-chave para saber como o seu consumidor busca e então produzir conteúdo direcionado para estes termos.

4. Excesso de palavras-chaves

tela representando busca de palavra-chave em buscador online
fonte: freepik

Há quem pense que quanto mais uma palavra-chave aparecer no texto, melhor, pois facilitaria o trabalho do Google na hora de compreender os objetivos do nosso texto.

Mas não é bem assim. Pelo contrário.

Claro que elas precisam aparecer em vários momentos (de preferência no título e nas 100 primeiras palavras), mas como já dissemos, tudo em excesso faz mal.

Aqui também é preciso estratégia para não jogar palavras-chaves ao léu e acabar tendo seu conteúdo ou o seu site penalizado em função disso.

Lembra que falamos que os algoritmos já estão bem espertinhos? Então, eles também já percebem a sutileza dessa estratégia de manipulação por meio do uso indiscriminado de palavras-chaves. Essa tática equivocada tem nome: keyword stuffing (em português algo como preenchimento com palavras-chave) e é altamente desaconselhada.

O refinamento da inteligência artificial faz com que os algoritmos já sejam capazes de “pescar” as entrelinhas e as correlações semânticas entre as palavras-chaves.

Ou seja, isso faz com que não precisemos ficar repetindo sempre os mesmos termos. Sinônimos são muito bem vindos e fazem parte de uma boa estratégia de SEO.

5. Problemas com o Robots.txt

robot txt
fonte: freepik.com

Muita gente não sabe, não conhece ou não dá importância ao Robots.txt. Mas ele é fundamental para o seu site. Trata-se de um arquivo presente no seu servidor que serve como uma espécie de autorização para os robôs passarem ou não pelo site e indexá-lo.

Qualquer falha de configuração nesse arquivo pode resultar em um problemão para o seu desempenho perante os motores de busca.

Você pode, por exemplo, ter páginas privadas aparecendo nos resultados enquanto aquelas de conteúdo, que realmente precisam ser indexadas, não aparecem na SERP.

Portanto é importantíssimo checar isso por meio de ferramentas específicas para testar o robots.txt. Caso não tenha conhecimento para fazer essa checagem, peça um suporte técnico, mas não ignore em hipótese alguma esse item.

6. Sitemap

sitemap
fonte: freepik.com

Esse é outro ponto crucial de uma estratégia de SEO que tende a ser negligenciado por muitos profissionais.

O sitemap. xml é um arquivo,  um mapa do site que organiza o conteúdo e mostra para os robôs aquelas páginas que você quer armazenar e indexar no servidor.

Esse é um recurso extremamente útil que facilita a vida do Google na hora de entender a estrutura do seu site e encontrar os resultados que você deseja que ele encontre.

O grande inconveniente é que ele precisa ser atualizado com frequência, sempre que a estrutura do site for alterada, para surtir o efeito desejado.  Mais uma vez, se não consegue checar o seu sitemap, procure ajuda especializada. Assim você garante que todas as URLs do seu site que você deseja indexar sejam consideradas pelo Google.

7. LSI

escrevendo texto para blog
fonte: freepik.com

 

Latent Semantic Indexing (Indexação Semântica Latente) está diretamente relacionada ao que falamos no item 4.

Esse é um fator muito considerado pelos algoritmos na análise de conteúdo. A atenção precisa ser em manter uma correlação entre os termos utilizados ao longo do texto e as palavras-chaves elencadas na URL e no título.

A dica é usar sinônimos, jargões específicos do nicho em questão e deixar o conteúdo mais humanizado possível para que o Google possa interpretar corretamente a sua intenção com aquele conteúdo.

8. Conteúdo desatualizado

ilustração de uma tela com uma folha escrita saindo de uma página
fonte: freepik.com

Esse é um problema comum em blogs mais antigos na web. Esses canais costumam ter conteúdos que trazem bom tráfego, porém, muitas vezes, foram produzidos muitos anos atrás. Isso é um ponto que não agrada ao Google.

O buscador prioriza conteúdos mais recentes com dados mais atualizados porque essa é uma preferência do usuário.

Ninguém gosta de procurar informações sobre determinado aplicativo, por exemplo, e encontrar uma informação de 2015 que desconsidera as atualizações que ele sofreu, certo?

O mundo parece estar girando mais rápido e as coisas mudam em frações de segundos. Seu conteúdo precisa seguir esse fluxo se você quiser se destacar.

Analise os conteúdos de melhor tráfego do seu site e traga dados novos, mude a estrutura do texto, confira novo frescor sem perder a essência da mensagem.  Isso fará com que o Google entenda que aquele conteúdo é tão importante para a sua audiência que você cuida dele com bastante carinho, revisando-o e renovando-o com frequência.

9. Conteúdo duplicado

conteúdo duplicado
fonte: freepik.com

Se o foco, como já dissemos, é a experiência do usuário, esse item não precisa de muita explicação, não é mesmo?

Ao copiar um conteúdo você está deixando de lado uma das coisas mais importantes para o público em geral: a originalidade e autenticidade.

O marketing digital é feito de conexões entre pessoas. E produzir um conteúdo original, que priorize a sua audiência é uma forma de demonstrar seu cuidado e preocupação com ela.

Quando o Google percebe um conteúdo duplicado, vai priorizar aquele que foi publicado primeiro.

Porém as coisas não são tão simples no SEO. Um site pode ter seu conteúdo duplicado sem saber.

Como assim?

Uma URL com e sem o www significam dois sites diferentes para o buscador. O mesmo ocorre com as páginas com Http e Https que também são consideradas como páginas diferentes pelo Google.

Para resolver isso basta acrescentar uma canonical tag para indicar qual o conteúdo principal e que deve ser indexado pelo Google.

10. Black Hat

ilustração de uma página com sinal vermelho de proibido
fonte: freepik.com

Aqui tocamos num ponto bastante sensível do SEO. A web está repleta de promessas milagrosas que garantem um ótimo engajamento e o topo da SERP.

Porém, muitas vezes são estratégias desonestas que buscam manipular o buscador por meio de redes de blogs que linkam entre si.

A essas práticas de manipulação dá-se o nome de SEO Black Hat. Atualmente, elas são facilmente identificadas pelo Google, e podem resultar em penalizações graves.

Além das já citadas nos itens 2 e 4 tem outras como os spams, comentários  publicados em blogs e fóruns com o único intuito de divulgar um produto e fazer o site ser visto pelos motores de busca. Essas táticas foram muito utilizadas nos primórdios da produção de conteúdo digital, mas não fazem mais sentido atualmente.

É bom ficar atento!

Conclusão

O SEO é um dos principais pontos de uma boa estratégia de marketing digital. Embora não seja um bicho de 7 cabeças, está longe de ser algo que possa ser feito a toque de caixa.

SEO requer pesquisa, estratégia e atenção minuciosa a detalhes técnicos para que o efeito seja realmente positivo. Negligenciar o SEO é perder a chance de ter o seu negócio no topo das páginas de resultado dos principais motores de busca.

Marinella de Souza é jornalista e apaixonada por escrita desde que se entende por gente. É entusiasta da comunicação e entende o marketing de conteúdo como uma incrível ferramenta de colaboração e acredita demais na construção coletiva de conhecimento. | https://br.linkedin.com/in/marinella-de-souza
Publicado em 19 de março de 2021 | Atualizado em 28 de abril de 2021
Categoria

CONFIRA TAMBÉM