Checklist de como se recuperar de uma atualização do Google

Confira o passo a passo para se recuperar de uma atualização do Google para proteger seu site das alterações do algoritmo e manter suas classificações de pesquisa.

Publicado em: 23 de maio de 2024
Atualizado em: 14 de junho de 2024

Historicamente, o Google lança atualizações do algoritmo principal duas ou três vezes por ano, mas, no ano passado, tivemos um recorde de quatro atualizações. Também acabamos de experimentar um recorde de 45 dias de lançamento com o core update de março de 2024.

As atualizações do Google evoluíram ao longo dos anos, de acordo com a evolução do próprio Google como um sistema de busca, classificação e recuperação de informações.

Como resultado, a forma como falamos sobre as atualizações, as entendemos e as abordamos também precisa evoluir.

Vale a pena destacar que nem todas as atualizações do Google foram projetadas para serem punitivas; várias atualizações nos últimos 3 anos foram alinhadas ao core update do Google e à adoção de diferentes tecnologias.

O que é um core update?

Um core update é uma atualização principal feita no algoritmo do Google.

Como define Danny Sullivan (por meio da conta do SearchLiason X), uma atualização principal é quando o Google faz uma alteração “notável” em um ou mais de seus sistemas principais. Essas atualizações alteram a forma como as entradas (conteúdo, links etc.) são processadas e ponderadas.

Os sistemas são executados continuamente, portanto, uma vez atualizados, eles começam a processar e atualizar com base nos novos critérios.

Nem todas as atualizações são relatadas, pois, de acordo com Sullivan, isso seria apenas um feed de notificação contínuo e não seria útil fora da narrativa atual de que a Pesquisa não é um produto estático e está sempre evoluindo.

Saiba mais: Confira todas as atualizações do Google até 2024.

Fui afetado por uma atualização?

Entender se você foi impactado por uma atualização é fundamental para determinar o curso de ação apropriado.

Em 2023, o Google fez 9 atualizações oficiais, todas registradas no Painel de Status da Pesquisa Google, além de milhares de atualizações menores em andamento que não são registradas ou declaradas.

Embora a maioria das atualizações confirmadas leve de 3 a 4 semanas para ser concluída (o último core update levou mais de 40 dias), mudanças significativas geralmente podem ser vistas nas primeiras 24 a 48 horas após a implementação.

Durante o período de implementação, você deve esperar volatilidade e flutuações tanto no tráfego quanto no ranqueamento, mas a “zona de perigo” para as consultas é nos primeiros dias.

ATENÇÃO: é importante lembrar que nem todas as perdas de tráfego e classificações estão relacionadas às atualizações.

Como a dança do Google agora é coisa da memória e o Google processa em tempo real, as alterações no seu desempenho podem se dever aos esforços dos seus concorrentes e às melhorias nas propostas de valor deles, como a melhoria do conteúdo ou o benefício de uma cobertura valiosa da imprensa.

Quando isso acontece, o Google tende a realizar testes de palavras-chave e experimentar diferentes sites em diferentes posições para obter feedback do usuário antes de estabelecer uma “nova” página de resultados mais estável.

Isso pode ser frustrante, mas confirma ainda mais que o SEO não é uma atividade “única”, e que refinar e provar a proposta de valor para consultas de pesquisa específicas é um exercício contínuo.

É possível se recuperar de uma atualização do Google?

Embora seja possível se recuperar de uma atualização antes do lançamento dos próximos core updates, a maioria dos sites tende a ver as maiores mudanças (e recuperações) durante as atualizações subsequentes - se eles tiverem alinhado melhor seu conteúdo com o que o Google está procurando:

“O conteúdo que foi afetado na Pesquisa ou na Descoberta por uma atualização pode não se recuperar - supondo que tenham sido feitas melhorias - até que a próxima atualização de núcleo amplo seja lançada.”

O mesmo documento do Google também descreve outra verdade: fazer melhorias não garante a recuperação se houver “conteúdo mais merecedor”, pois o Google continuará a classificá-lo em posição elevada nos resultados de pesquisa.

Recuperar-se de uma atualização do Google normalmente significa melhorar um (ou mais) dos seguintes aspectos:

  • Proposta de valor do seu conteúdo, finalidade benéfica e alinhamento com o que um usuário esperaria ao pesquisar consultas específicas;
  • Melhorar seu EEAT (melhorar os links e as menções);
  • Reforçar e desenvolver a entidade de sua marca (e a relação com ela).

As recuperações podem parecer diferentes porque existem tipos diferentes.

Algumas recuperações são rápidas e, devido às atividades de recuperação que você vem implementando, o tráfego está quase voltando aos níveis anteriores à atualização, se não estiver mais alto.

Isso geralmente acontece quando uma atualização do mecanismo de busca revisa e altera uma variável que foi alterada em uma atualização anterior.

Outras recuperações levam mais tempo.

Isso significa que o Google provavelmente viu dados positivos de usuários a partir das variáveis alteradas na atualização anterior, e o ímpeto está em você para alinhar melhor o seu site e o conteúdo com o que o Google está procurando recompensar.

Checklist de como se recuperar de uma atualização do Google

Antes de passar para o primeiro passo, fazer perguntas nessa “fase zero” inicial pode economizar muito tempo e preocupações das partes interessadas da empresa:

Onde estamos vendo a queda no tráfego?

  • Se for por meio de uma ferramenta de terceiros, isso é consistente com nossos dados proprietários?
  • A ferramenta de terceiros atualizou seus próprios conjuntos de dados e previsões de tráfego?
  • Se estiver em nossos dados proprietários, todos os códigos de rastreamento estão implementados e acionados corretamente?

Responder a essas perguntas primeiro pode evitar o desperdício de recursos e, possivelmente, trazer a calma de volta à situação.

1º passo: avaliar o impacto

Ao identificar quais páginas perderam tráfego, você pode estabelecer se a queda afeta apenas determinadas páginas ou todo o site, reduzindo o escopo de onde procurar para diagnosticar as possíveis causas do problema.

  • Coleta de dados: A primeira etapa é coletar e reunir o máximo possível de dados disponíveis, de preferência no nível de palavra-chave e URL. Esses dados podem vir do Google Search Console, do Google Analytics e de outras plataformas de análise e fontes de dados.
  • Segmentação de dados: Segmente seus dados por cluster de página, cluster de palavra-chave, demografia, persona, dispositivo ou sua própria categorização personalizada para determinar quais áreas foram mais afetadas.
  • Comparação de dados: A comparação com dados históricos é vital para entender quaisquer possíveis correlações entre a sazonalidade e o comportamento anterior do tráfego/comprador.

2º passo: analisar as SERPs

A próxima etapa para se recuperar de uma atualização do Google é avaliar o que mudou nas páginas de resultados dos mecanismos de busca (SERPs) para seus principais termos de busca e grupos de termos.

Ao analisar as SERPs, você precisa ser objetivo, remover quaisquer preconceitos e evitar pensamentos como “meu conteúdo é melhor do que esse”, pois os dados atualmente sugerem o contrário. Essa coleta de dados é sua primeira parte na execução de uma análise de GAP.

Em suma, a análise de GAP (ou análise de lacunas) consiste em identificar a distância que existe entre o estado atual de um projeto e o objetivo desejado. Neste caso, se pergunte:

  • Em que medida o Google mudou as SERPs?
  • O Google agora está preferindo sites que têm uma intenção de pesquisa diferente?
  • O Google está recompensando sites que são um tipo de fonte diferente?
  • Seus concorrentes diretos foram afetados de forma positiva/negativa?
  • O Google introduziu novos recursos de SERP?
  • O Google removeu recursos de SERP?
  • O Google está listando duas vezes algum domínio entre os 10 primeiros?

3º passo: revisar seu site

Agora que você tem os dados da análise das SERPs, pode realizar uma análise de GAP em seu próprio site.

Existem alguns pontos que merecem mais atenção: avaliar a profundidade e a relevância do seu conteúdo e o quanto o conteúdo está alinhado à intenção de pesquisa e às expectativas do usuário para a consulta.

  • Cobertura abrangente: Avalie se o seu conteúdo aborda totalmente os tópicos em questão. Ele deve fornecer todas as informações necessárias que um usuário pode estar procurando ao pesquisar a consulta e fornecer conteúdo de apoio relevante e as próximas etapas lógicas para o usuário em seus vários caminhos de jornada.
  • Precisão de dados e informações: Certifique-se de que o conteúdo esteja atualizado com as informações mais recentes, especialmente em setores com altos níveis de interesse ou que dependem muito de estatísticas. A atualização de tabelas de dados estatísticos e exemplos com os dados mais recentes disponíveis ajuda a criar a integridade e a validade do conteúdo aos olhos dos usuários.
  • Correspondência com a intenção da palavra-chave: o conteúdo principal de cada página deve abordar claramente a intenção de pesquisa por trás das palavras-chave que ela visa.
  • Alinhamento da finalidade benéfica: Cada parte do conteúdo tem uma finalidade benéfica. Não há um propósito benéfico certo ou errado, mas ele deve estar alinhado às expectativas do usuário. Por exemplo, um conteúdo informativo intitulado “o melhor software X para Y”, que posiciona sua empresa como a número um com uma avaliação três vezes maior do que as outras, não tem uma finalidade benéfica que se alinhe à intenção da palavra-chave.

4º passo: desenvolver e implementar estratégias de recuperação

Agora que você coletou e analisou todos os seus dados e entendeu as diferenças entre o seu conteúdo e o que o Google está recompensando no momento, pode começar a elaborar uma estratégia para lidar com essas diferenças.

Definir a estratégia primeiro é fundamental, pois permite que você comunique as expectativas em relação às atividades e ao seu plano de recuperação com as partes interessadas mais amplas da empresa.

DICA EXPERTA: Não caia na armadilha de passar imediatamente para as táticas!

As estratégias são projetadas para fornecer uma estrutura ampla e orientar a tomada de decisões a longo prazo, garantindo que todos os esforços estejam alinhados com os objetivos principais da empresa.

Isso alinha seus esforços de SEO com os objetivos comerciais e ajuda a desviar as conversas de métricas como classificações e palavras-chave para métricas comerciais mais importantes, como leads e receita.

É difícil se recuperar de uma atualização do Google

O Google não vai te dizer por que suas classificações caíram. Para entender os motivos de uma redução no tráfego ou no desempenho de SERP, é necessário analisar objetivamente o seu site.

Você deve abandonar suas suposições sobre o valor do seu conteúdo e do site para estar no topo e se perguntar: minhas páginas merecem ser classificadas?

  • Você executou os fundamentos de SEO?
  • Você está evitando práticas de black hat em seu link building?
  • Você está envolvido em spam?
  • Seu conteúdo é escrito por especialistas experientes?
  • Seus concorrentes têm um conteúdo melhor, páginas mais fáceis de usar ou uma proposta de valor mais clara?

Quando você tiver uma avaliação clara, poderá seguir em frente. A recuperação de uma queda repentina na classificação leva tempo, paciência e esforço. Boas informações são sua melhor ferramenta.

CONFIRA TAMBÉM