SEO técnico: O que é e o que pode fazer pelo site da empresa?

Otimizações realizadas com o SEO Técnico são essenciais para alcançar o topo nos resultados de busca. Descubra tudo que ele pode fazer pelo seu site!

Última atualização:

18 de janeiro de 2024

Flávia Crizanto
Últimos posts por Flávia Crizanto (exibir todos)

Índice

    Existe uma técnica em SEO? Pensar em SEO técnico pode trazer a sensação de que estamos falando em uma forma capaz de solucionar tudo, basta seguir as regras que tudo estará resolvido. 

    Mas não é bem assim, o SEO (Search Engine Optimization) é dividido em muitas áreas, e hoje vamos falar sobre os aspectos estruturais. 

    A parte do SEO técnico é a responsável por garantir que a engrenagem funcione, ou seja, que nenhum problema ocorra na arquitetura do site e em seu funcionamento. Assim, ele promove otimizações em diferentes processos. 

    É preciso seguir alguns critérios técnicos para que os mecanismos de busca encontrem os conteúdos na internet. Por isso, esse segmento do SEO é fundamental para que as estratégias de conteúdo e link building funcionem. 

    Mas, onde o SEO Técnico pode ser aplicado? Qual a sua importância? Por onde começar e quais ferramentas utilizar? 

    Se você quer as respostas, continue a leitura!

    O que é SEO Técnico?

    O SEO Técnico compreende um conjunto de ações realizadas em um site para ajudar os mecanismos de busca a encontrar e indexar suas páginas. Assim, ele é responsável por promover a otimização de sites

    Para conquistar um bom posicionamento nos resultados de pesquisa, é preciso que os buscadores consigam fazer o rastreamento de suas páginas, colocando-as no ranking das buscas. 

    Por isso, essa etapa é a base para as estratégias de SEO funcionarem. O objetivo é garantir uma boa estrutura do código HTML, das URLs, arquitetura da informação, otimização de imagens e vídeos, entre outros aspectos. 

    Qual é a importância do SEO técnico?

    Ele é responsável por “arrumar a casa” e garantir que o seu site apareça nos buscadores. Por exemplo, não adianta ter um conteúdo de qualidade se o código HTML do seu site tiver algum erro; a página não será classificada pelos mecanismos de busca. 

    Assim, todo o trabalho pode ser perdido. Uma simples auditoria de SEO pode evitar que detalhes técnicos atrapalhem o desempenho de um site. Dessa forma, assegurar que as técnicas sejam aplicadas corretamente ajuda os buscadores a lerem e entenderem as informações, indexando a página de acordo com a palavra-chave definida

    Apesar do SEO técnico ser fundamental para indicar ao robô o caminho para rastrear o conteúdo das páginas, ele também contribui para a experiência dos usuários. Ao simplificar processos, a navegação dos visitantes pelo site se torna mais ágil e intuitiva. 

    Esse é um dos critérios de ranqueamento no Google. O propósito do gigante das buscas é entregar os melhores resultados aos usuários. Por isso, prioriza as páginas que proporcionem uma boa experiência. 

    Quais são os principais aspectos do SEO técnico?

    Pode parecer complicado entender todos os processos técnicos em um primeiro momento, mas a verdade é que se trata de etapas que estão conectadas. Assim, o caminho torna-se lógico. A seguir, você confere os principais aspectos do SEO Técnico: 

    Rastreamento

    Essa etapa compreende uma série de processos para que os mecanismos de rastreio encontrem os conteúdos na internet. Normalmente, uma página está ligada a outras através de links. Assim, o rastreamento segue uma lista de URLs para encontrar as páginas. 

    Por isso, é indicada a criação do sitemap, arquivo que ajuda na detecção de todas as páginas de um domínio. Além disso, ele auxilia na visualização da conexão entre as páginas, seguindo uma sequência lógica e hierárquica para se certificar de que não há páginas órfãs - se não há links para uma página, o Google não consegue rastrear e, portanto, também não consegue indexar e classificar.

    Os links são ordenados em fila para que o rastreador (crawler) comece o processamento. Então, o sistema analisa o conteúdo, identifica páginas canônicas (mais de uma versão para a mesma página) ou redirecionamentos e envia para o renderizador. 

    Algumas plataformas permitem gerar sitemaps automaticamente, como o WordPress. Porém, também é possível fazer manualmente no formato XML. Basta selecionar as URLs que deseja incluir no sitemap e enviar aos motores de busca. O Google Search Console inclui uma funcionalidade para o envio de sitemaps.

    Renderização

    O momento da renderização serve para avaliar como será o carregamento da página no navegador. Assim, os mecanismos de pesquisa conseguem ver como a página será apresentada aos usuários. Isso inclui arquivos JavaScript e CSS. 

    Indexação

    O processo de indexação acontece após o rastreamento e a renderização das páginas. É quando elas são armazenadas, classificadas e exibidas nas buscas

    Essa é uma etapa muito importante para o site, pois garante que as páginas sejam encontradas pelos usuários. Para saber se uma página foi realmente indexada, é preciso inspecionar a URL através do Google Search Console. 

    De acordo com o próprio Google, há alguns motivos para uma página não estar indexada:

    • Se for uma página ou site novo;
    • Se há ações manuais contra a página – revisões de páginas feitas por um revisor humano do Google;
    • Se o site foi reestruturado e há erros de redirecionamento;
    • Se o site tem algum problema de segurança;
    • Se você estiver bloqueando a página com um arquivo robots.txt.

    Além dessas questões, o aparecimento de códigos de status HTML pode prejudicar a indexação. O código de status HTML serve para indicar a situação da página na internet, sinalizando erros de servidor, como:

    • 404 (página não encontrada);
    • 403 (acesso negado);
    • URL bloqueada;
    • Páginas não rastreadas;
    • Links quebrados;
    • outros.

    Mobile-friendly

    Em 2015, o Google anunciou o mobile-friendly update, que define a adaptação responsiva como um dos fatores de ranqueamento. Por isso, os sites que apresentam uma versão adaptada para celular e dispositivos móveis são priorizados para a indexação. 

    Essa característica tem o objetivo de facilitar a vida dos usuários, já que, atualmente, mais de 92 milhões de brasileiros acessam a internet apenas pelo celular. Além de tornar a estética do site mais atrativa e profissional, esse também é um critério para garantir uma boa experiência dos usuários.

    Por exemplo, considere essa página da Web acessada pelo computador:

    página vista pelo computador

    Veja a diferença entre a adaptação incorreta e correta para a versão mobile:

    versão mobile incorreta e correta da página, feita com SEO técnico
    A adaptação de uma página para a versão mobile deve considerar tanto um design atrativo quanto a experiência do usuário.

    Algumas ferramentas de criação de sites (como WordPress, Wix, Beaver Builder) já incluem a otimização de layouts para diferentes tamanhos de tela, incluindo o mobile. Mas, para garantir a melhor experiência possível,  o ideal é realizar o teste de compatibilidade com dispositivos móveis disponibilizado pelo próprio Google.

    SSL

    Se refere a uma tecnologia de segurança digital. Ela é representada na URL através do código “https”. Antes, não havia o “S” final, mas a mudança vai além disso. 

    Desde que o Google adotou essa nova chave de segurança, ela é considerada um dos fatores de ranqueamento. Assim, é fundamental manter o domínio do seu site seguro com SSL. 

    Além disso, ele sinaliza para os usuários que o site é confiável e que pode proteger seus dados. Dessa forma, o certificado SSL é um protocolo de segurança que criptografa as informações entre um servidor da web e um navegador. 

    A migração para o sistema HTTPS começa com a compra do certificado SSL e sua instalação da maneira correta, depois basta habilitar o protocolo e atualizar os recursos e links externos. 

    Dados estruturados

    São recursos utilizados para descrever o conteúdo das páginas do site a fim de ajudar os mecanismos de pesquisa a indexá-las. Eles podem ser adicionados no código da página, servindo para complementar o assunto e facilitar o rastreamento. 

    Os dados estruturados podem ativar as pesquisas aprimoradas, pois oferecem informações mais interessantes aos usuários nos resultados de pesquisa. Um conteúdo com dados estruturados tende a ajudar o Google a criar featured snippets, o que deixa a página ainda mais visível para os usuários - pois trata-se daquelas informações que aparecem em blocos de destaque no Google e oferecem as respostas mais diretas.

    Um bom exemplo da aplicação desse artifício está nas páginas de receitas, pois cada elemento dela pode ser uma marcação no código da página, assim as pessoas podem fazer a busca de diferentes formas: por ingredientes, tempo de preparo e outras opções. 

    Por exemplo, se uma pessoa buscar por receitas que levam em média 30 minutos para fazer, pode se deparar com um resultado que incluiu o tempo como um dado estruturado.

    Os dados estruturados podem ser adicionados ao site através da inserção no próprio código HTML, os formatos compatíveis são JSON-LD, Microdados e RDFa. No WordPress, o plugin Yoast tem uma aba destinada aos dados estruturados, podendo facilitar o processo.

    Migrações

    Correspondem a mudanças e atualizações feitas no seu site. Por exemplo, alteração de URL, atualização de layout, troca de plataforma de hospedagem, entre outras. No entanto, ao fazer a migração, não é certo que a sua posição no ranking das buscas será mantida.

    Nesse caso, uma medida de precaução é solicitar a indexação pelo Google Search Console. Este é um momento bastante técnico, sendo necessário contar com o apoio de um especialista em SEO.  

    Velocidade da página

    Esse quesito está diretamente relacionado com a estrutura do website, portanto, faz parte do SEO técnico. Elementos internos, como imagens e vídeos, podem deixar o carregamento do site mais lento, o que prejudica a experiência do usuário. 

    Portanto, a velocidade do site é um elemento fundamental para o SEO e para o ranqueamento. Algumas ferramentas, como o Page Speed Insights, ajudam a corrigir o problema.

    A plataforma disponibiliza um relatório em que é possível conferir três aspectos muito importantes em relação ao tempo de carregamento das páginas: 

    • Rapidez de carregamento em diferentes dimensões (como navegador e localidades, por exemplo);
    • Velocidade de execução para as interações dos usuários (clicar em botões, por exemplo);
    • Agilidade do navegador em analisar um documento e disponibilizá-lo.

    Se o código HTML tiver muitas camadas de informação, fica difícil para o navegador ler e interpretar as marcações contidas nele. Por isso, é indicada sua otimização, ou seja, reduzir seu tamanho, sem prejudicar o processamento – otimizando imagens ou aplicando o Lazy Loading, por exemplo.

    DICA: Como otimizar as imagens do seu site?

    Muitas pessoas não imaginam, mas as imagens de um site carregam elementos para poderem ser exibidas na web. Alguns algoritmos do Google têm capacidade de reconhecer apenas textos, sendo necessários outros recursos para que as imagens sejam identificadas

    Por isso, elas são tão importantes para as otimizações de SEO Técnico. Veja abaixo quais cuidados você precisa ter ao inserir imagens na página do seu site: 

    NOME DO ARQUIVO

    É assim que o Google vai interpretar a imagem. Antes de fazer o upload no site, é preciso atribuir um nome que deixe claro ao buscador sobre o que se trata o arquivo. 

    Exemplo: agenda-preta-capa-dura.png, em vez de IMG548.png. 

    ALT TEXT

    É a oportunidade que você tem para descrever as imagens, facilitando que o Google entenda o conteúdo presente nela. Para o SEO, essa é uma característica importantíssima porque auxilia no processo de indexação

    Além disso, esse também é um recurso que impacta na experiência dos usuários. Pois, caso a imagem não carregue na página, esse texto alternativo de descrição é apresentado, ou então, pode funcionar como um mecanismo de acessibilidade para os usuários com deficiência visual.

    PESO DO ARQUIVO

    Imagens pesadas podem deixar o tempo de carregamento das páginas mais lento, fazendo com que os usuários não permaneçam nelas. Isso pode dificultar ranqueamento das páginas do seu site, sendo um problema grave para o SEO. 

    Por isso, é importante reduzir o tamanho dos arquivos

    Utilize ferramentas de compressão de imagens como TinyPNG, JPEGmini e iLoveIMG, por exemplo. 

    FORMATOS E DIMENSÕES

    O formato das imagens é outro ponto que pode influenciar no carregamento das imagens. Arquivos em JPEG 2000, JPEG XR e WebP oferecem uma taxa de compressão melhor se comparado aos formatos PNG e JPEG. Além disso, é importante se atentar às dimensões das imagens usadas no site, para evitar redimensionamentos e deixar o carregamento mais lento.

    LAZY LOADING

    Técnica que permite exibir os arquivos mais pesados no final do carregamento ou apenas quando entram no campo de visão do usuário. O intuito é acelerar o carregamento da página e facilitar a visualização do conteúdo.

    Arquitetura da informação

    Significa pensar em como as informações serão ordenadas no site para facilitar a navegação do usuário. A arquitetura do site orienta a organização das informações no layout da página, como a indicação de menu, por exemplo.

    Dessa forma, a estrutura precisa fazer sentido, sendo interessante construir o site com base no conceito de topic cluster.

    exemplo de arquitetura do site em topic cluster

    A técnica consiste em garantir que as páginas estejam conectadas através das páginas principais que aparecem na home e subpáginas para os conteúdos relacionados. Por exemplo, no site da Experta, na aba “Serviços” é possível clicar em “Link Building”, “Digital PR” “Gestão de Blogs” e “SEO”. 

    Além disso, as URLs devem seguir essa mesma hierarquia. Os tópicos e as categorias também precisam ser otimizados de acordo com uma palavra-chave específica, o que garante a ordenação dos conteúdos por proximidade de assunto. 

    A linkagem interna também é um aspecto essencial para a arquitetura da informação, pois além de transmitir autoridade entre as páginas e favorecer o ranqueamento, ela viabiliza a navegação e a conexão entre as páginas. 

    Todos esses fatores fazem muita diferença para a experiência dos usuários, uma vez que uma visita ao seu site pode se tornar muito mais intuitiva, fácil e atraente para os usuários.

    O que faz a consultoria de SEO técnico?

    De maneira geral, uma consultoria de SEO é responsável por verificar as estratégias de otimização das páginas. No SEO técnico, alguns critérios específicos precisam ser analisados. Ela envolve os seguintes processos: 

    Auditoria

    É o processo de procurar pelos problemas que estão atrapalhando o desempenho do seu site nos motores de busca. Assim, podem ser encontrados erros de estrutura na URL, links quebrados, problemas nas tags de título e no tempo de carregamento das páginas.

    A auditoria técnica analisa todos esses detalhes que podem estar contribuindo para um baixo número de visitas em seu site. 

    Priorizações

    Ao identificar os problemas, é preciso seguir uma ordem de priorização para resolvê-los. Geralmente, muitos erros podem ser encontrados e tentar solucionar tudo de uma só vez pode ser um equívoco. Então, não se desespere. É preciso encontrar o caminho mais viável para fazer as correções. 

    Relatórios

    Os relatórios detalham todo o processo, sendo essenciais para compreender as métricas e acompanhar as estratégias. Eles trazem dados importantes que indicam o desempenho do seu site, como: 

    • Taxa de cliques;
    • Autoridade de domínio
    • Evolução de palavras-chave;
    • Backlinks;
    • Tempo médio de carregamento da página;
    • Entre outras. 

    Através dessas informações, é possível identificar insights e trazer melhorias para o seu site.

    Análise de resultados

    Esse é o momento de verificar se os objetivos traçados na estratégia de SEO estão sendo alcançados. A análise dos dados apresentados nos relatórios indica como o site está performando. 

    Assim, se não há melhora no posicionamento ou, então, o número de visitas continua baixo, pode ser sinal de que alguma coisa está errada no seu site. 

    Com os dados, os profissionais de SEO podem solucionar os problemas técnicos que afetam o ranqueamento da sua página nas buscas.

    SEO técnico X on page e off page 

    Como falamos anteriormente, o SEO Técnico corresponde às práticas de otimizações para ajudar os mecanismos de busca a rastrear, interpretar e indexar as páginas do seu site. 

    Esses aspectos estão dentro do conceito de SEO on page, que compreende todas as medidas realizadas dentro do seu site para melhorar a classificação nas buscas. 

    No entanto, o SEO on page engloba outros fatores para além do quesito técnico do site, como as estratégias de produção de conteúdo. Portanto, o SEO Técnico é a parte do SEO on-page que lida com a estrutura interna da página. Isso inclui: 

    • Title;
    • Meta description;
    • Heading tags;
    • Palavra-chave;
    • URLs;
    • Linkagem interna; 
    • Otimização de imagens e vídeos.

    Por outro lado, o SEO off page refere-se às ações que acontecem fora do seu site, como as estratégias de link building, que buscam trazer autoridade de domínio através da conquista de backlinks.

    Assim, o SEO off page também é responsável por melhorar o ranqueamento do seu site nos mecanismos de busca. Ele envolve as seguintes práticas: 

    • Geração de backlinks de qualidade;
    • Estratégias de assessoria de imprensa digital; 
    • Presença nas redes sociais.

    Quais são as principais ferramentas de SEO Técnico?

    Os processos que envolvem o SEO Técnico podem parecer complexos por apresentarem uma série de quesitos a serem analisados. Por isso, as ferramentas de SEO são tão importantes, pois facilitam a identificação de problemas e podem indicar melhorias. 

    Google Search Console

    Ferramenta do Google usada para monitorar o desempenho dos sites nos mecanismos de busca. No SEO Técnico, ele pode ser útil para: 

    • Identificar problemas de indexação;
    • Rastreamento;
    • Enviar sitemaps;
    • Encontrar páginas quebradas;
    • Detectar problemas na estrutura do site;
    • Entre outros erros técnicos.

    Ahrefs

    Essa é uma ferramenta paga, porém oferece algumas funcionalidades gratuitas interessantes para realizar as análises de SEO. Um exemplo é a Barra de Ferramentas, um recurso de extensão para o Chrome e o Firefox. Com ela é possível obter: 

    • Relatórios de SEO On-page; 
    • Verificação de redirecionamentos e cabeçalhos HTTP; 
    • Informações sobre links quebrados; 
    • Posicionamento nos resultados de pesquisa (SERP).

    Chrome DevTools

    É uma ferramenta de desenvolvimento do Chrome e pode ser utilizada de diferentes formas. Normalmente ela é associada ao trabalho de desenvolvedores de web, mas possui funcionalidades que podem auxiliar na análise de desempenho do site, como: 

    • Relatar erros de exibição do site;
    • Conferir tempo de carregamento das páginas; 
    • Auxiliar no desempenho de renderização da página. 

    PageSpeed Insights

    É uma ferramenta essencial para verificar a velocidade e o desempenho do site. Além disso, ela recomenda algumas ações para deixar o carregamento das páginas mais rápido. Dessa forma, a experiência do usuário também é um fator considerado por ela. 

    As principais indicações incluem: 

    • Otimização de imagens e códigos; 
    • Adaptações para os dispositivos móveis.

    5 erros mais comuns no SEO Técnico

    Normalmente os problemas que afetam o desempenho dos websites estão associados às questões técnicas. Detalhes sutis podem atrapalhar toda a estratégia de SEO, sendo essencial saber identificar os erros e corrigi-los. 

    A seguir, destacamos cinco erros de SEO técnico que você deve evitar: 

    1) Ausência de sitemap

    O sitemap.xml é um arquivo que mostra ao robô do Google quais são as páginas do seu site que você deseja indexar. Na prática, o processo se torna mais rápido e fácil, como se o Google tivesse um mapa do seu site para entender a estrutura dos conteúdos

    Quando a página não conta com esse arquivo no servidor, o processo de indexação pode demorar mais. Além disso, o sitemap precisa ser atualizado toda vez que há alguma mudança na estrutura do site. 

    Esse é um detalhe fundamental para garantir que o Google continue tendo acesso a todas as URLs do seu site que você quer que sejam indexadas. 

    2) Erros no Robots.txt

    Esse é outro arquivo presente no servidor que dá permissão para os robôs acessarem ou não as páginas do seu site e indexá-las. Se ele apresentar uma configuração errada, pode acontecer das páginas não aparecerem nos resultados de busca ou serem exibidas como privadas. 

    Por isso, esse é um problema que não pode ser ignorado, sendo importante fazer checagens no arquivo para garantir seu funcionamento. Para tal, utilize a ferramenta robots.txt Tester e veja se há bloqueio de rastreadores. 

    3) Conteúdo duplicado

    A presença de conteúdo duplicado em um site pode afetar significativamente sua posição no ranking das buscas. O Google entende um conteúdo duplicado como uma cópia, priorizando o que foi publicado primeiro, portanto, o “original”. 

    Mas, nem sempre se trata de cópias. Por exemplo, se uma mesma página tem a versão com e sem o www, o buscador classifica como dois sites diferentes. Dessa forma, um site pode ter seu posicionamento prejudicado sem saber. 

    Esse é um problema que pode ser facilmente resolvido por quem entende do assunto, basta adicionar uma canonical tag a uma das páginas duplicadas, indicando qual é a principal. 

    4) Falta de compatibilidade com dispositivos móveis

    Sabemos que a experiência dos usuários no mobile é um dos critérios para ranquear no Google. Portanto, um site que apresenta problemas para se adaptar a tela dos smartphones terá problemas de desempenho. 

    Isso exige que o site tenha um design responsivo, garantindo a boa experiência dos usuários nos dispositivos móveis. A ausência dessa característica pode representar uma alta taxa de rejeição dos usuários em relação ao seu site, por exemplo. 

    5) URL longa

    Quanto mais extensa uma URL for, mais confusa ela se torna para os bots e para os usuários. 

    Imagine uma URL da seguinte forma: https://seudominio.xx/4fh65h/e%hdik#gajgs 

    Não dá para entender qual é o assunto da página, certo? Por isso, prefira a construção de URLs diretas e que utilizem palavras-chave para marcar o assunto da página.

    Conheça os serviços da Experta!

    Somos uma empresa especializada em SEO, link building, gestão de blog e digital PR. Por meio de uma consultoria de SEO, podemos identificar os principais problemas técnicos que afetam o desempenho do seu site. 

    Se você quer se destacar nos resultados de pesquisa e atrair mais visitantes, entre em contato conosco.

    CONFIRA TAMBÉM