Saber e aplicar estratégias SEO se tornou condição fundamental para quem atua com distribuição de conteúdo digital. O que inclui jornalistas e repórteres.


As tecnologias digitais trouxeram muitas transformações para jornalistas, assessores de imprensa e relações públicas. Inicialmente, a entrada da Internet provocou uma grande crise no setor, principalmente para os profissionais das mídias tradicionais, como televisão, rádio e jornais impressos.

Entretanto, há quem já afirme que a crise passou e que, agora, há grandes oportunidades para quem deseja explorar os recursos trazidos pelo conteúdo digital.

Se você produz conteúdo on-line, divulga notícias ou está mergulhando no universo das reportagens para portais digitais, deve estar sempre se perguntando como produzir um material otimizado e amigável, tanto para seu leitor quanto para o Google.

Para te ajudar nessa tarefa, fizemos esse guia. Além disso, neste material, também listaremos algumas estratégias e ações práticas para você começar a aplicá-las hoje mesmo e alcançar excelentes resultados.

Vamos lá?

1 - Entenda como o Google funciona

Voltar ao topo

como funciona o google

Para otimizar qualquer site, é imprescindível que você entenda como os mecanismos de busca funcionam. É importante lembrar que o Google é apenas um deles. Existem outros menos utilizados, mas nem por isso devem ser ignorados. Dentre eles, podemos citar o Bing, Yahoo, ask.com, Baidu, duckduckgo, entre outros.

Neste guia, nosso foco estará no Google, já que esse é o mecanismo de busca mais utilizado na maior parte do mundo.

A função de um mecanismo de busca é conectar você às páginas e documentos distribuídos pela web. De forma simplificada o que o Google faz é rastrear todos esses dados, organizá-los, classificá-los e exibi-los.

O processo é realizado da seguinte maneira:

  • Rastreamento: os robôs do Google, também chamados de spiders ou crawlers, começam o processo de rastreamento, visitando as páginas, documentos e imagens disponíveis na web.

 

  • Indexação: todas as informações do rastreamento são salvas em um grande banco de dados, chamadas de index. O index é atualizado sempre que os robôs do Google retornam a um site e encontram uma nova informação. A periodicidade com que os bots vão até um site depende do quão relevante o Google o considera. Enquanto uma página pode receber mais de uma visita por dia, outras precisam esperar semanas.

 

  • Classificação: após indexar todas os sites, os mecanismos de busca podem exibi-los em suas páginas de resultados, também conhecida como SERP (Search Engine Results Page). É aí que entra um grande processo de decisão definido pelos algoritmos. São eles que irão definir quem ocupa as primeiras posições e quem será distribuído nas demais páginas. Descobrir os fatores que o algoritmo leva em consideração para ranquear bem as páginas de um site é um grande desafio para os profissionais de SEO. Isso porque trata-se de um processo dinâmico: os fatores mudam de acordo com as atualizações feitas nesses algoritmos. O importante é ter em mente que para definir as regras utilizadas, o Google pensa sempre no usuário

É importante você saber que a qualidade do seu site pode fazer com que seja mais fácil ou mais difícil para o Google fazer o rastreamento. Existem maneiras ainda de impedir que os robôs passem pelas páginas de um website. Mas isso é algo que deve ser feito com muito cuidado, somente quando há a certeza de que não se quer que uma página seja indexada e não apareça nos resultados de busca.

Como o Google encontra o seu site?

A importancia dos links na indexação

A melhor maneira para o Google encontrar o seu site é por meio de links oriundos de outros sites que já estejam indexados. Dessa maneira, o seu site passará a constar no index e, posteriormente, poderá ser considerado pelo Google e, então, aparecer na SERP.

Por isso, é tão importante entendermos como o Google utiliza os links para determinar a importância de uma página e de um site. De forma geral, ele utiliza como parâmetro o número de links (e a qualidade deles) que é apontado para uma página. A esses links que apontam para o seu site chamamos de backlinks. 

Os backlinks devem ser encarados como votos. Há alguns links que possuem maior autoridade do que outros. De forma geral, obter links de um site que também recebe muitos links de qualidade tem mais peso do que receber de um com poucos links.

2 - Entenda como funciona a SERP do Google

Voltar ao topo
Entenda a serp do Google

Como vimos anteriormente, após indexar uma informação, o Google usa seus algoritmos para classificá-la. Cada resultado é chamado de snippet.

Entretanto, existem vários tipos de snippets mostrados pelo Google e que podem ser divididos em três grupos.

1 - Snippets regulares

São os resultados mais comuns na SERP que levam para para as páginas vinculadas à consulta do usuário no mecanismo de pesquisa.

Um snippet regular possui três componentes principais:

exemplo de snippet da Experta Media na SERP do Google

  • URL: mostra o endereço do site.

  • Título: extremamente importante, pois é uma das primeiras coisas que o usuário vê na página do Google.

  • Meta descrição: é um texto resumido que tem a intenção de mostrar sobre o que a página ranqueada se refere. É muito relevante pois, muitas vezes, irá determinar se o usuário se interessará pelo assunto e se clicará ou não na sua página.

Para quem usa WordPress, alguns plugins como o YoastSEO permitem fazer a edição do título e da meta description. A URL também pode ser editada em um item chamado slug.

2 - Featured snippets ou snippets de destaque

São um tipo de snippet que geralmente aparece no topo da página do Google. Normalmente, seu intuito é responder uma pergunta ou ser uma fonte de informação diretamente na SERP. Os snippets de destaque também contêm um link para a página que indexou.

É importante não confundir rich snippets com featured snippets.

  • Os featureds snippets aparecem no topo da página do Google.

exemplo de featured snippets do Google

  • Rich snippets podem aparecer em outras posições da página do Google, mostrando informações extras de um snippet, como preço e classificação.

exemplo de rich snippets

3 - Caixa única de resultados

Geralmente também são mostrados em forma de resposta, mas não linkam para nenhum resultado externo.

exemplo de caixa única de resultados na SERP do Google

ATENÇÃO!

Cada um desses três grupos de snippets citados possuem diversos formatos. Procure conhecê-los e sempre observe como eles estão sendo exibidos, que tipo de resposta eles tendem a levar ao usuário e por qual mídia (imagem, áudio, vídeos, etc).

Entender como o Google entrega uma resposta pode te ajudar a pensar o seu conteúdo ou a reestrutura-lo.

Faça um teste. Escolha algumas palavras-chave de seu interesse ou de interesse do seu negócio, pesquise-as no Google e identifique os snippets exibidos.

3 - Crie estratégias para se destacar nos snippets

Voltar ao topo

Serp do google
Ícone criado pelo Pixel perfeito de www.flaticon.com

Você aprendeu aqui neste guia que, ao realizar uma busca no Google, alguns snippets possuem destaque maior. São os chamados "featured snippets". Essa classificação também é conhecida por alguns como posição 0 ou caixa de respostas.

De acordo com um relatório do Hubspot, conteúdos que aparecem nos snippets em destaque possuem uma taxa de cliques duas vezes maior e, consequentemente, podem levar mais tráfego orgânico para suas notícias.

Para aumentar as chances de seus conteúdos estarem nessa posição, é importante pensar em como eles podem ser úteis para as buscas e para a solução dos problemas dos seus usuários. Pense em responder às perguntas que eles costumam ter durante a jornada de pesquisa.

Como escrever conteúdos para featured snippets

Dedique também parte dos seus esforços a escrever posts e conteúdos que respondam perguntas típicas de um lead de uma matéria. A diferença é que você irá criar um conteúdo para responder cada item e não colocar tudo em um único parágrafo.

  • Como?

  • Por quê?

  • Onde?

  • Quando?

  • O qual?

Uma outra forma de aumentar suas chances de aparecer na posição "0" é observando os termos de pesquisa relacionados ao que as pessoas estão usando enquanto procuram notícias ou informações.

Abaixo segue um exemplo de perguntas relacionadas quando pesquisamos o termo "link building".

Para fazer isso, fique atento e atenta aos resultados que também são apresentados abaixo do campo de pesquisa na página do Google. Use essas ideias para otimizar ao máximo o seu conteúdo.

exemplo de resultados relacionados no fim da SERP do Google em uma busca de palavra-chave

Falando em link building, veja nosso artigo que explica sua importância para o SEO:

https://www.expertamedia.com.br/link-building-e-seo/

4 - Envie seu site para o Google News

Voltar ao topo
google news

O Google Notícias tem se mostrado uma das principais fontes de tráfego para os veículos de informação. A ferramenta é responsável por filtrar diariamente centenas de notícias das mais diferentes editorias e exibi-las aos usuários, tanto no desktop quanto no celular.

Essa seção do mecanismo de busca permite ainda a personalização de recebimento das notícias de acordo com as preferências dos usuários, que podem indicar se estão ou não satisfeitos com os conteúdos selecionados pelos algoritmos. Isso só reforça a importância da produção de conteúdos de qualidade.

Para que seu site de notícias apareça no site de publicação do Google Notícias, é necessário fazer uma solicitação on-line e usar o console de pesquisa para verificar a propriedade do site de notícias e inserir todos os detalhes, como URLs e etiquetas da seção de notícias antes de enviar para uma revisão.

Para fazer o cadastro do seu site no Google Notícias você deve acessar o endereço abaixo:

https://publishercenter.google.com/publications

Quando um usuário acessa o Google Notícias, ele pode classificar as notícias com base em categorias. Por isso, é essencial que você marque a categoria correta para as notícias publicadas, a fim de aumentar suas chances de aparecer em destaque.

Se o Google aceitar sua inscrição, você encontrará seu site como "incluído" na seção Google Notícias.

Em 2016, houve uma mudança na maneira como o Google exibe as notícias e passou a destacar as mais recentes e as que ele considera relevante no topo da página de buscas. Elas são marcadas como "notícias principais".

exemplo da seção Google Notícias na SERP do Google

Para aumentar as chances de ranquear bem nessa área, é muito importante que seu site tenha uma estrutura de SEO onpage bem trabalhada, além oferecer uma cobertura recorrente e factual.

Continue com a gente que mais à frente falaremos sobre os principais fatores on-page.

5 - Otimize seu site para celulares

Voltar ao topo

otimizar parar celular
Icons made by Smashicons from www.flaticon.com

Em novembro de 2016, o Google anunciou uma atualização de indexação para dispositivos móveis. O comunicado ocorreu em um momento no qual as pesquisas feitas pelo celular ultrapassaram as realizadas via desktop.

Assim, características como ser responsivo e amigável para celular passaram a ser consideradas como fatores de posicionamento no ranqueamento. É que chamamos de Mobile First.

Para acompanhar essa demanda, leve em consideração que a indexação para dispositivos móveis está em pleno andamento. Você pode fazer essa checagem por meio de uma ferramenta chamada Google Search Console.

Por isso, é essencial que  jornalistas e editores andem de mãos dadas com desenvolvedores e profissionais responsáveis pela tecnologia para manter os seus sites em versões mobile ou formato responsivo.

Uma dica importante: nem sempre o profissional de conteúdo ou SEO será o responsável pelas implementações tecnológicas. O importante é saber quais itens são importantes para que um site possa ser considerado como otimizado para o Google.

6 - Implemente o formato AMP no seu site

Voltar ao topo
Logo amp

O Accelerated Mobile Pages (AMP) é um formato de página do seu site otimizada para um carregamento simplificado. O objetivo é atender ao conceito de Mobile First, no qual a arquitetura e o desenvolvimento são direcionados aos dispositivos móveis e em seguida aos desktops.

Este é um formato que o Google adora, principalmente porque permite um carregamento de página muito mais rápido. Quando fazemos uma busca pelo celular, as páginas do tipo AMP ficam marcadas e uma versão simplificada do site é carregada quando clicamos nessa opção.

AMP Stories/Web Stories

Em 2019 o Google lançou mais o AMP Stories, um formato de entregas de notícias visualmente ricas que podem ser avançadas pelo toque. Esse recurso é bem semelhante aos Stories do Instagram.

O resultado visual do AMP Stories ao ser aplicado em um site se parece com esse resultado (a experiência será muito mais legal ser você acessar do celular):

Clique e confira!

https://revista.magtab.com/storytelling-usando-videos-e-animacoes

A diferença é que os stories do Google não desaparecem após um determinado período de tempo. Vale reforçar que, normalmente, quem deseja trabalhar com esse formato, deve valorizar vídeos e imagens.

Como criar um AMP Stories / Web Stories

Para criar um AMP Story você precisa seguir alguns passos e usar códigos. Nesse caso, vale a pena contar com a ajuda de um desenvolvedor.

Para nossa alegria, o Google fez parte do trabalho e fornece um padrão de códigos abertos que podemos editar e colar. Para ter acesso, basta acessar este link:

https://amp.dev/documentation/components/amp-story/?referrer=ampproject.org

De forma geral, para executar projetos em AMP Stories você vai precisar:

  • Conhecimento básico de HTML, CSS e JavaScript

  • Uma compreensão básica dos principais conceitos do AMP

  • Um navegador da sua escolha

  • Um editor de texto da escolha

Depois acesse este passo a passo.

7 - SEO Onpage: estruture a parte técnica do seu site

Voltar ao topo
seo onpage

Pensar na parte estrutural do site é extremamente importante se você deseja ranquear suas notícias e conteúdo no Google. Dentro do universo do SEO, a avaliação tecnológica do seu site é chamada de Onpage.

Fatores Onpage

Entre alguns dos fatores onpage que devem ser avaliados em um site estão:

  • Title

  • Velocidade de carregamento

  • URLs amigáveis

  • Redirecionamentos de URL

  • Alt Tag da imagens

  • Robots.txt

  • Otimização dos conteúdos e seus headings

  • Categorização

  • Linkagem interna

  • Backlinks

  • Sitemap.xml

Vamos falar sobre todos eles adiante. Mas vamos agora pedir uma atenção especial ao sitemap.

O que é sitemap?

Trata-se literalmente do mapa do seu site no qual você indica aos crawlers do Google quais páginas deverão ser indexadas. Aqui você fica sabendo como criar e enviar o seu sitemap ao Google.

Seu sitemap deve ser atualizado à medida que novas notícias são publicadas. Você não deve criar novos sitemaps para cada artigo. Em vez disso, você deve atualizar o existente.

De forma geral, se o seu site estiver com esse fatores bem estruturados, e você publicar conteúdos com regularidade, a tendência é de que o Google passe a rastrear mais o seu site. Assim, as suas chances de ter conteúdos bem ranqueados aumentam.

8 - Produza conteúdo de qualidade

Voltar ao topo
produzindo conteúdo no computador

Para um jornalista que foca em SEO, é fundamental fornecer um conteúdo de qualidade, além de saber da importância dos fatores técnicos e Onpage.

“Relevância e originalidade são fundamentais para conseguir destaque nas primeiras páginas do Google.”

Cuidado com a qualidade e a veracidade dos títulos para que eles não sejam entendidos como click baitsos chamados caça-cliques. Esse tipo de conteúdo tende a aumentar a taxa de rejeição do seu site, já que muitas vezes o usuário se depara com informações falsas ou de baixa qualidade.

Conteúdos evergreen

Quando você decide produzir conteúdos que também visam receber tráfego proveniente do Google, é importante investir em conteúdos que não possuam uma vida útil curta.

No universo do jornalismo, esse tipo de conteúdo é conhecido como matéria fria. No marketing de conteúdo, o nome dado é de conteúdo evergreen. Para ser considerado como tal, ele precisa ter uma relevância que permanece com o passar do tempo. Assim, ganha boas posições e torna-se fonte permanente de tráfego.

Por isso, além das matérias factuais, tenha um plano para manter a produção não só das matérias frias, como também dos conteúdos de utilidade pública e de serviços. Sim! informações como: “o que abre e o que fecha no feriado” em um site têm uma função muito importante para o seus visitantes.

Outro aspecto ao qual você deve estar atenta é a atualização dos conteúdos: avalie sempre aqueles que podem ser aprimorados. É muito comum algumas notícias ou blogposts perderem ranqueamento com o tempo e, ao serem atualizados, recuperarem boas posições.

Não deixe suas matérias frias morrerem

Icons made by wanicon from www.flaticon.com

No SEO, atualização de conteúdo tem muito valor. As suas notícias podem ser melhoradas com informações novas, acrescentando palavras-chave ou vinculado a elas outras notícias mais recentes. Aproveite também para inserir recursos de áudio ou vídeos.

No jornalismo, usamos o conceito da Pirâmide Invertida na construção um texto, ou seja, as  informações mais importantes vão sendo desenvolvidas primeiro. Mas se você busca se destacar na web, considere aplicar novos estilos e técnicas de redação de conteúdo. Esse é um ponto que você  deve considerar quando busca trabalhar SEO no universo jornalistas.

9 - Otimize cada página de conteúdo

Voltar ao topo
dicas de conteúdo

Muitos ainda acreditam que atualizar uma notícia para SEO é apenas inserir algumas palavras-chave estratégicas. Mas a verdade é que conseguir as melhores posições no Google exige um esforço maior.

Já comentamos sobre os fatores onpage que devem trabalhados dentro do site. Neste tópico, abordaremos de forma mais específica alguns fatores onpage que devem ser trabalhados dentro de uma página.

Títulos e manchetes

Escrever títulos com foco SEO exige ir além de apenas escrever um bom texto. É importante pensar em como usuário irá encontrar a sua notícia. Quais termos ele ou ela costuma buscar para se informar sobre o assunto que você está publicando?

A partir desse ponto, tente inserir de forma natural as palavras-chave de busca utilizadas pelo seu leito no seu título ou manchete.

URL

A maior parte dos jornalistas ainda não está habituada a observar pequenos detalhes técnicos ao concluírem a redação de uma notícia. A tendência é focar apenas na qualidade do texto.

Entretanto, para os jornalistas que desejam que seus conteúdos sejam encontrados no Google, a revisão também precisa passar pelas URLs. De forma geral, a URL gerada pela página tende a ser semelhante ao título que você criou para a notícia. O que pode gerar URLs bem grandes.

De forma geral, o Google tem se mostrado mais apto a valorizar URLs mais curtas. Por isso, antes de publicar, tente criar uma URL de endereço mais direta e concisa.

ATENÇÃO

A edição da URL deve ser realizada antes da publicação da notícia. Caso alguma modificação seja feita posteriormente, você pode mudar o endereço no qual a sua matéria estava e fazer com o seu conteúdo não seja encontrado.

Caso decida fazer essas modificações, tenha certeza de que os redirecionamentos serão realizados da forma correta.

Title (título) e meta description

O title, também chamado de título, e a meta description são marcações HTML que fazemos no conteúdo que irão definir como a informação do seu conteúdo aparecerá nas página de resultados de busca do Google.

exemplo de title e meta description

Quando você não se preocupa em configurar seu title e meta description, os mecanismos de busca fazem essa seleção automaticamente.

Quando não editado, de forma geral, o title é puxado a partir do título do seu conteúdo e a meta description pega uma parte aleatória do conteúdo. Entretanto, deixar que essa seleção seja feita de forma aleatória pode prejudicar o desempenho do seu conteúdo no Google.

Foque na edição prévia desses dois elementos. É importante que o title tenha a principal palavra-chave usada pelos seus leitores quando buscam pelo assunto que você produziu a informação.

Além disso, apesar da meta description não ser um fator de ranqueamento considerado pelo Google, o texto mostrado por ela na SERP pode ser fundamental na decisão do usuário em clicar ou não no seu conteúdo.

Tanto para o title quanto para a meta description há um limite de caracteres a serem utilizados. Atualmente, o title deve ter menos de 60 caracteres e a meta description não deve passar dos 156 caracteres. De tempos em tempos, o Google modifica esses valores, por isso, recomendamos que sempre verifique essa informação.

Alt text das imagens

Quando você coloca uma imagem na sua matéria, existe um atributo chamado alt text (texto alternativo)  que deve ser olhado com atenção. Como os robôs do Google ainda não fazem uma leitura muito precisa de imagens, ele usa o alt text para identificá-las.

Esse fato faz com que seja fundamental nomear a sua imagem corretamente e não com 'IMG001', 'IMG002'. Ao subir uma imagem, não se esqueça também de creditar o fotógrafo.

10 - Organize categorias e tags

Voltar ao topo

Icons made by Flat Icons from www.flaticon.com

Antes de falarmos das otimizações de SEO que podem ser feitas pelos jornalistas, é importante entender a diferença entre categorias e tags.

  • Categorias:  correspondem a um amplo agrupamento de suas postagens. No caso dos veículos de notícia, podem ser comparadas às editorias. As categorias existem para ajudar a identificar o que realmente é o seu blog ou site e, assim, guiar os seus leitores para o tipo certo de conteúdo. As categorias são hierárquicas e também podem ser subdivididas em subcategorias.

  • Tags: Elas tendem a destacar detalhes específicos da sua postagem ou matéria. As tags não são hierárquicas e, por isso, consideradas como elementos independentes dentro do site.

Como exemplo, podemos usar

  • Economia (categoria)

    • Mercado financeiro (subcategoria)

      • Ações (Tag)

      • Renda fixa (Tag)

Um erro muito comum cometido por jornalistas e produtores de conteúdo é definir categorias e tags aleatoriamente dentro de um site. Isso pode fazer que seus conteúdos comecem a competir entre si, o que chamamos de canibalização.

Faça um planejamento e crie um padrão para tags e categorias. Caso esteja em dúvida sobre quais tags utilizar, prefira não usá-las.

11 - Use o protocolo HTTPS

Voltar ao topo

Icons made by Pixel perfect from www.flaticon.com

Desde 2014, o Google adotou o protocolo HTTPS (Hyper Text Transfer Protocol Secure) como um fator de ranqueamento.

Mas o que o que é o HTTPS?

O HTTPs é um protocolo de segurança que permite a troca de informação de um site com o servidor.  A indicação desse protocolo pode ser vista na barra de endereço dos sites por meio de um desenho de cadeado.

exemplo do site Experta Media com HTTPS

Em alguns casos você verá um cadeado em outras não. Quando você não encontrar esse cadeado, no lugar do HTTPS estará o HTTP, que era bem mais comum a até bem pouco tempo atrás.

O Google valoriza os sites que possuem o HTTPS porque eles oferecem segurança ao usuários, principalmente quando eles compartilham dados pessoais, como os dados de cartão de crédito, por exemplo.

Caso o seu site não possua o HTTPS, você poderá instalá-lo. Verifique se seu servidor de hospedagem oferece o recurso gratuitamente ou pago. Caso não, você mesmo poderá providenciar por meio de plataformas como o Let's Encrypt.

Neste artigo do Neil Patel você pode se informar mais sobre os impactos do HTTPS no seu site.

12 - Faça a linkagem interna das páginas do seu site

Voltar ao topo

linkagem interna
Icons made by Pixelmeetup from www.flaticon.com

Quando falamos de links internos, estamos nos referindo a links que apontam para outras páginas do mesmo site. Os links internos colaboram para estabelecer a arquitetura do site e aprimorar a navegabilidade.

Lembra que no item um falamos sobre as visitas que os robôs do Google fazem em nosso site? As linkagens internas facilitam a navegação desses crawlers. Dizemos que uma página está "orfã" quando ela não recebe e nem envia links para as outras páginas do mesmo site.

Texto-âncora

Ao realizar qualquer tipo de linkagem, você seleciona uma palavra ou expressão para receber o link. Este texto selecionado é o que chamamos de texto-âncora ou anchor text.

Cuide para selecionar textos-âncora que ofereçam uma noção do tópico que você deseja referenciar. Além disso, na medida do possível, use variações de textos-âncoras evitando usar sempre as palavras-chave exatas.

Em nosso artigo Mitos do Link Building falamos mais sobre a utilização do texto-âncora:

https://www.expertamedia.com.br/mitos-do-link-building/

13 - Trabalhe o link building e os backlinks de qualidade

Voltar ao topo

Icons made by Freepik from www.flaticon.com

Jornalistas e sites de notícias geralmente oferecem muita resistência em colocar links externos em seus textos. Entretanto, isso não deveria ser um problema, já que o seu site e sua matéria também vão precisar de backlinks para melhorar o posicionamento no Google.

Se houver um link relevante que agregue valor aos leitores, coloque-o lá. Dessa, maneira você também poderá contribuir com a autoridade de outros sites. O Google enxerga os links de um site para outro como votos de confiança.

Por isso, você também deverá trabalhar para receber links de outros sites com boa autoridade. Divulgar a sua notícia é fundamental para que esse processo ocorra de forma natural e espontânea.

Links dofollow, nofollow, sponsored e UGC

Um detalhe importante deve ser reforçado: links também possuem atributos e os mais conhecidos são dofollow, nofollow, sponsored e UGC. Esses atributos servem para o Google filtrar os backlinks naturais dos backlinks pagos.

Para entender mais sobre atributos de links, leia nosso artigo aqui:

https://www.expertamedia.com.br/links-nofollow-sponsored-e-ugc/

Caso o Google considerasse qualquer tipo de link para avaliar a autoridade de um site, bastaria investir em banners de anúncios e conteúdos com links pagos para que um site conseguisse um bom ranqueamento. Mas não é o que ocorre.

Por isso, quando queremos indicar para o Google que um link não é natural ou estamos trabalhando um linkagem que envolve uma publicidade, precisamos inserir o atributo nofollow ou sponsored. O que pode ser feito no código HTML, como no exemplo abaixo.

<a href="http://www.example.com" rel="nofollow">Example</a>

<a href="http://www.example.com" rel="sponsored">Example</a>

Conclusão

Fazer SEO é muito mais do que realizar uma pesquisa de palavras-chave e inseri-las ao longo de um texto. Boa parte dos jornalistas ainda pensa que a função de aplicação do SEO é de responsabilidade dos desenvolvedores ou profissionais ligados à tecnologia, o que não é verdade.

Este pensamento representa não só uma limitação como também a perda de uma oportunidade de ampliação do foco da profissão. Jornalistas e produtores de conteúdo que se dedicam a entender e a aplicar os conceitos de SEO conseguem não só maior projeção dos seus conteúdos e trabalhos como melhores oportunidades no mercado de trabalho.

Para sites e veículos de notícias, também é fundamental a presença de profissionais que estejam preparados para monitorar e pensar estratégias de SEO.

Achou esse conteúdo útil? Aproveite para enviá-lo para alguém que você acredita que irá gostar.

Quer falar mais sobre SEO e link building na sua empresa? Entre em contato. Estamos prontas para te atender!